03 anos de vida sem crachá

Eu nunca tive o sonho de ter um negócio próprio.

Sempre acreditei que não tinha perfil para empreender.

Comecei a trabalhar em empresas aos 15 anos e desde muita nova me saía bem nas funções que me confiavam.

Desejei muitas vezes alcançar o cargo de executiva de uma grande corporação.

Mas, os anos foram passando, e eu me sentia desencaixada daquele formato de trabalho de 08 as 18 , férias programadas, pacote de benefícios, projetos aleatórios, chefes que operavam no modelo comando e controle.

Perdi a minha sedução por aquele universo.

A medida que percorria o meu processo de autoconhecimento (que ficou realmente intenso nos meus 31 anos) percebe que o real medo de empreender meus talentos estava ligado ao meu sistema familiar.

Na minha família existem vários empreendedores. O meu pai sempre foi um empreendedor, e foi aí que o meu medo começou.

Eu vi todos os negócios do meu pai falirem. Vi a avalanche de preocupações, cobranças e transtornos que a minha família passava.

Isso cristalizou em mim um medo da instabilidade, um medo de decidir alçar voos solos.

Comecei meus movimentos empreendedores em 2011, logo após a minha 1a formação em coaching.

Trabalhava o dia todo no corporativo e atendia na hora do almoço e no final do expediente. Foram 04 anos assim.

Em 2015 quando meu pai faleceu senti que estava na hora de enfrentar de vez o meu medo da jornada empreendedora.

Estava na hora de tirar as rodinhas da bicicleta.

Entendi que a vida é um ato empreendedor. Entendi que eu não precisava de um crachá para dizer o que fazia ou quem eu era.

Hoje se completam 03 anos que eu saí do mundo corporativo como empregada. Eu continuo frequentando com felicidade este mundo. Mas agora como prestadora de serviços, como facilitadora de processo de desenvolvimento humano e isso me traz muita alegria.

E como se eu tivesse ressignificado todo o conhecimento e experiência que existem dentro de mim.

Empreender não é uma tarefa fácil, dá medo, dá frio na barriga e a gente tem que redobrar a atenção com o planejamento, produção e gestão das finanças.

Mas é possível, é só entender que a gente já começa a empreender assim que nasce, pois, empreender é decidir REALIZAR!

Coração em celebração por este 03 anos de vida com o meu crachá!

Alinne Ferreira

Alinne FerreiraComment