Por que devemos ser congruentes?

CONGRUÊNCIA: substantivo feminino que indica coincidência ou correspondência de caráter ou qualidades; conformidade, concordância, harmonia.

Para mim, o significado da palavra congruência tem relação com alinhamento. Alinhamento entre o que se pensa, sente, fala e faz. Ao longo da minha vida, experiências e relacionamentos sempre estranhei e ficava com a pulga atrás da orelha com pessoas que não fazem o que dizem. Lembram do ditado “casa de ferreiro, espeto de pau”, pois, é isto sempre me incomodou. E como sou ser humano, acredito que muitas vezes reforcei o grupo dos não “congruentes”. Mas, porque estou trazendo isto à tona? Nos últimos meses ando muito incomodada com fatos, pessoas e experiências que venho presenciando. Em épocas de mídias sociais tem muita gente vendendo gato por lebre, pagando de gatinho e falso intelectual. Arghhhh!!! Eu simplesmente detesto isso!!!

Como um ser humano que está sempre buscando, buscando e buscando se aprimorar para ajudar os outros e a mim mesma, fico pensando em todas as vezes que tive que apertar o meu botão F5 para me atualizar e me escutar para ser coerente com o que penso, sinto, falo e faço. Pois, muitas vezes que estou apoiando um cliente, eu me pergunto: eu vivo isso que estou falando para o meu cliente? E toma soco na boca do estômago, e bora olhar para dentro e se alinhar. É um exercício constante.

É minha gente, quem trabalha com desenvolvimento humano, com pessoas sabe o desafio que é vivenciarmos tudo aquilo que a gente prega. Aliás, isso é um desafio para qualquer um. Não é mesmo?

O que me deixa encafifada, é ver o quanto fingimos ser o que não somos, falamos o que não pensamos, aconselhamos o que não acreditamos e ainda tiramos uma selfie para registrar o momento.

Estou cansada de me comparar com ídolos imaginários, falsos gurus e mestres do momento. CHEGA!!! Se a gente não para um momento para se auto observar começa a se desvalorizar e embarcar nesse mar de ilusões.

Começa a ser incongruente e a não fazer o que acredita, pois, simplesmente esquece no que acredita, e começa a ser um Ctrl C Ctrl V de alguém. Acredito demais nas referências, elas são importantes, elas só não podem nos influenciar ao ponto de deixarmos de ser nós mesmos. De deixarmos de viver a nossa verdade, a nossa autenticidade.

Eu me pergunto todo dia: eu vivo o que eu penso, sinto e falo?

Bora, dar um refresh?

Um beijo, Alinne